quinta-feira, 21 de janeiro de 2016

MPE – Pedagoga à espera de nomeação encaminha cópia de representação aos 31 procuradores de Justiça

Renise Xavier Tavares: apelo ao colégio de procuradores
para que representação seja"objeto de urgente análise".

Não será por falta de conhecimento prévio sobre o imbróglio que o colégio de procuradores do MPE, o Ministério Público Estadual, deixará de dar sua contribuição para a solução do drama dos aprovados no concurso para pedagogo realizado em 2012 pela instituição, mas que permanecem à espera de nomeação. Renise Xavier Tavares - aprovada no concurso realizado em 2012, no qual disputou o cargo de pedagoga com outros 998 candidatos, classificando-se em 6º lugar – encaminhou cópia da representação protocolada no MPE, objetivando assegurar sua nomeação pela via judicial, a cada um dos 31 procuradores de Justiça do Ministério Público Estadual. Até agora, o Parquet só nomeou os dois primeiros colocados no concurso, Cintia Cristina Cordeiro Damasceno e Daniely Laurentino Damásio, respectivamente, embora o prazo de validade do certame, que já foi renovado, expire em julho de 2017. Todas as cópias da representação remetidas pela pedagoga são precedidas pelo apelo de que a situação relatada seja “objeto de urgente análise” pelo colégio de procuradores.

O que confere conotações de escândalo ao imbróglio é a revelação, feita na representação de Renise Xavier Tavares, de que o MPE mantém em seus quadros, há anos, três pedagogas cedidos pela Seduc, a Secretaria de Estado de Educação: Martha Libia Wanderley Borges, Lúcia da Costa Florenzano e Diana Barbosa Gomes Braga. A elas se soma Betânia Vinagre, servidora de nível médio, mas que atua ao lado das três pedagogas, com atribuições de servidor de nível superior. Três delas - Martha Libia Wanderley Borges, Lúcia da Costa Florenzano e Diana Barbosa Gomes Braga – foram reprovadas no concurso para o cargo de pedagogo, no qual foi aprovada Renise Xavier Tavares, a 6º colocada, mas ainda à espera de nomeação. Bethânia Vinagre, que fez o mesmo concurso, mas para o cargo de analista judiciário, também foi reprovada.

26 comentários :

Anônimo disse...

Espero que esses procuradores de justiça façam de fato justiça e decidam a favor da nomeação dos concursados.

Anônimo disse...

So burra. So estao la por politica

Anônimo disse...

Será que esses procuradores vão ter o bom senso e a digna atitude de atender aos direitos da pedagoga Renise Tavares? Como eu acredito na justiça, na ética e na garantia constitucional; espero que tais responsáveis pela justa causa da Renise façam fazer cumprir e valer a legalidade dessa causa.

Alann Xavier disse...

Tomara que todos os concursados sejam de fato empossados em seus devidos cargos, mas, pra que isso aconteça, é necessário a intervenção do MPE. Vamos fazer valer a justiça e o bom senso, senhores procuradores! #Indignado

Anônimo disse...

Será que esses Procuradores farão mesmo justiça??? Tenho minhas dúvidas! Acordem senhores Procuradores, nós estamos vendo tudo.

Anônimo disse...

O ponto-chave é que se estas profissionais estão cedidas, significa que o órgão tem necessidade da criação de novos cargos para suprir a carência que deveria ser apenas suprida em caráter emergência por profissionais cedidos.

Anônimo disse...

Concursadas nos informem o dia da votação, que nós(povo) vamos dar esse apoios a vcs, vcs merecem, q ridícula essa situação, vcs passam no concurso da instituição e para conseguir nomeação tem que brigar, que vergonha é esse Ministério Público.

Anônimo disse...

Senhores procuradores façam valer a lei ,dêem de cezar o que é de cezar dêem as concurso das o direito à nomeação,elas estudaram,se dedicaram e,portanto, merecem fazer parte do quadro de funcionários do ministério público estadual !!!

Anônimo disse...

Que Patético esse Ministério Público Estadual, concursada ter que brigar para ser nomeada, que vergonha hein Senhores Procuradores!?

Anônimo disse...

Aos procuradores envolvidos nesse caso das concursadas indevidamente colocadas à margem se seus direitos constitucionais!!!Saibam que essa causa e suas nuances éticas, já é de fato assunto de discussão no locutório popular, inclusive entre os estudantes universitários que se sentem indignados com essa "caixa de Pandora" que perpassa por uma face do poder público a qual precisa ser dissipada da nossa sociedade!!!

Anônimo disse...

Isso é uma pegadinha??? Não tô conseguindo acreditar que isso é verdade, vou mandar para o Fantástico isso, realmente, no Pará tudo acontece. Tô me preparando p fazer concurso, mas depois dessa matéria nem sei o q pensar? Se o MPE que deveria dar o bom exemplo não respeita resultado de concurso, imagina as outras instituições?

Anônimo disse...

Renise a tua luta é em glória, estás disputando vaga com uma integrante da família Florenzano, esta família possui influência junto ao executivo Estadual e o Ministério Público Estadual sempre manteve um estreito relacionamento com os governos tucanos, tanto é verdade que muito dos seus membros num passado recente, tais como Manoel Santino, Aldir Viana e Clodomir Araújo deixaram de lado a sua inamovibilidade e independência funcional e optaram em assumir funções no executivo Estadual de inegável subserviência aos políticos do PSDB. Atualmente, o promotor de Justiça Marco Aurélio íntegra o Secretariado do tucano Zenaldo Coutinho.
Tu acreditas que o MPE é capaz de devolver estas senhoras à SEDUC e de formalizar a tua nomeação?

Anônimo disse...

Infelizmente, mais um caso declarado de nepotismo escrachado na Administração Pública!!! Renise vá em frente na sua luta que é também uma luta de todos nós que almejamos entrar para o funcionalismo público pelas vias legais!!

EDUARDO SERRÃO disse...

Uma pessoa quando se dedica a prestar um concurso público, ela restringe diversas coisas em sua vida e quando de fato consegue alcançar tal objetivo, depara-se com certas dificuldades para concretizá-lo (NOMEAÇÃO).
O Ministério Público é responsável, perante o Poder Judiciário, pela defesa da ordem jurídica e dos interesses da sociedade e pela fiel observância da Constituição (das leis). a LUTA não para Renise, persista que conseguirá essa nomeação.

Anônimo disse...

Procuradores de Justiça respondam de forma favorável a situação dessas concursadas, apesar de tudo ainda acredito que os senhores possam minimizar a imagem negativa do Ministério Público perante a sociedade paraense concedendo a essas concursadas o direito de serem nomeadas. Caso contrário eu me pergunto: a quem ainda podemos acreditar???

Anônimo disse...

Pedagoga acho difícil esse Ministério Público Estadual fazer a nomeação de vocês, mas continue de cabeça erguida e entre com Mandado de Segurança. Estamos apoiando tua luta!

Anônimo disse...


Acho justo chamarem os coleguinhas concursados por terem passado noites e noites acordados estudando, tem muitos deles que estão desempregados, precisando do seu sustento. Então porque não chamar os concursados?

Anônimo disse...

Essa situação expositiva de nepotismo é uma grande falha no sistema jurídico e administrativo público. Isso demonstra o quanto está ameaçada a legalidade dos princípios constitucionais, sobretudo por aqueles que mais deveriam lutar contra um quadro caótico desses.Que indignação!

Anônimo disse...

Espero que essa luta dessas concursadas injustiças seja vitoriosa.Renise vá adiante com todos os recursos que lhe couberem. Todos que ainda somos estudantes e que almejamos nos formar um dia para exercer uma função junto à administração pública direta devemos apoiar essa causa para que não tenhamos que passar pelos mesmos despropósitos.Que esses promotores tomem consciência do dever que possuem para com a sociedade.

Anônimo disse...

Esta florenzano e prima da bloqueira inepta que nunca fala mal do mp.

Anônimo disse...

Falar o quê. Este tipo de atitude dá asco. E o pior é que o caso se passa dentro da instituição que deveria dar o bom exemplo. Acho que já tem tempo de essas instituições da esfera judicial darem exemplos dignos.

Anônimo disse...

21/01, 20:44, por determinação do CNMP, em obediência à transparência, as sessões do Colégio de Procuradores do MP e do Conselho de Procuradores do MP, são transmitidas on line, pelo site do MP. Qualquer pessoa pode assistir e ver e ouvir o posicionamento de cada Procurador de Justiça, sobre os assuntos submetidos à apreciação de suas excelências.
Devemos assistir as sessões e ver quem realmente defende o interesse público. Já assisti várias sessões e fiquei impactado com o que vi e ouvi de algumas de suas excelências.
Aproveito para parabenizar o procurador de justiça Nelson Medrado, que tem se mostrado coerente em seus posicionamentos expostos sempre com invejável segurança na fundamentação jurídica e também tem sido defensor feroz da legalidade, da moralidade, da impessoalidade, do interesse público e da eficiência na Administração Pública.

Anônimo disse...

É um absurdo como as questões relacionadas aos direitos dos cidadãos são tratadas em nosso país. Está aí mais um triste e vergonhoso exemplo de autoridades agindo de forma alheia à própria constituição. Espero que a sua luta ganhe mais forças Renise.Sugiro uma mobilização junto à Asconpa para fomentarem as vias legais do seu caso.

Anônimo disse...

Que bom poder contar com um profissional como o Barata, para divulgar uma denúncia tão séria e cheia de "justiça seja feita". Torço pela vitória da Renise e das demais concursadas que estão sendo ludibriadas pela face que traduz a falsa moral do judiciário.Esse é um cenário que todo concurseiro e cidadão de bem, REPUDIA.

Anônimo disse...

Renise,suas reinvidincações chegaram ao conhecimento do Diretório Central dos Estudantes da UFPA e vai entrar como ponto de pauta em nossas discussões acerca da conjuntura política em nossos âmbitos. Trata-se de uma questão grave e ofensiva aos direitos de todos que estamos almejando nos formar e entrar para o serviço público. Vamos acompanhar sobremaneira os desdobramentos dos posicionamentos das autoridades envolvidas nessa ludibriação dos direitos constitucionais que foram extremamente violados.

Anônimo disse...

Eita que tá tudo invertido!!! Reprovadas dentro do Ministério Público Estadual numa boa enquanto que as concursadas estão do lado de fora. Isso é um verdadeiro absurdo. Renise procura a Asconpa, DCE (UFPA), SINTEPP e o SISEMPPA e mobiliza um protesto no dia da reunião do Colégio dos Procuradores. Não desiste, tua causa é justa.